300 anos 13/03/2020 - 19:56:05
Coordenadoria da Mulher promove palestra para funcionárias de shopping
Ação teve como objetivo explicar os diversos tipos de violência que podem ser cometidos contra a mulher

Evento voltado para funcionárias do shopping foi realizado em alusão ao Dia das Mulheres. Foto: Caio Loureiro Evento voltado para funcionárias do shopping foi realizado em alusão ao Dia das Mulheres. Foto: Caio Loureiro

“Foi um dia incrível. Me senti muito importante e tenho certeza de que as meninas também. Foi uma experiência sensacional. Me sinto muito honrada de ser mulher. A violência precisa ser denunciada sempre. Não tem que ter medo”, afirmou Leidiane Silva, segurança do Parque Shopping, após uma palestra realizada pela Coordenadoria Estadual da Mulher do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJAL), nesta sexta-feira (13).

O evento, que ocorre em alusão ao Mês da Mulher, foi voltado às funcionárias da área administrativa do shopping e teve como objetivo explicar os tipos de violência de gênero que podem ser cometidos. A ação contou ainda com diversos serviços gratuitos para as colaboradoras, como maquiagem e massagem.

Leidiane Silva aprovou a iniciativa do Poder Judiciário em parceria com o shopping. Foto: Caio Loureiro

De acordo com a psicóloga Caroline Monteiro, do Juizado de Violência Doméstica da Capital, é necessário esclarecer as dúvidas sobre o que está previsto na Lei Maria da Penha. Segundo ela, a mulher, primeiro, precisa saber que está passando pela situação de violência.

“Explicamos que as violências não precisam, necessariamente, começar por violência física ou sexual, mas até por situações de ciúmes, que são sinais de microviolências. Essas violências tendem a aumentar e é importante que se tenha conhecimento para identificar logo de início para facilitar o rompimento do ciclo”, ressaltou.

Durante a palestra, Caroline Monteiro explicou que muitas mulheres acabam replicando pequenas agressões, como piadas ou músicas machistas, por não saberem que aquilo é ofensivo, mas que acabam contribuindo para a cultura de violência. “O feminicídio é a ‘ponta do iceberg’, há muita coisa como base, como uma cultura machista baseada na desigualdade de gênero. Estamos diante de um processo de modificação dessa realidade, mas ainda temos muito chão para caminhar”.

Ação teve como objetivo esclarecer para as funcionárias situações de violência. Foto: Caio Loureiro

A gerente de marketing do shopping, Cristine Oliveira, destaca que o propósito da ação foi ir além dos serviços estéticos e também trazer conhecimento às colaboradoras. “O informativo é um assunto muito atual. A gente sabe que as pessoas sofrem violência e, às vezes, não percebem. Não têm essa consciência que é uma violência, que é um abuso. Nada melhor que a gente trazer beleza e informação de um assunto tão comum, mas que as pessoas não identificam”, conclui.

A Coordenadoria Estadual da Mulher é atualmente presidida pela desembargadora Elisabeth Carvalho. O órgão é responsável pela elaboração de sugestões para o aprimoramento da estrutura do Poder Judiciário na área do combate à violência doméstica e familiar contra a mulher.


Winícius Correia - Dicom TJAL
imprensa@tjal.jus.br - (82) 4009-3141/3240























LEGISLAÇÃO E NORMAS